Logo
Imprimir esta página

Novas tecnologias fazem a diferença no varejo em época de Natal

Novas tecnologias fazem a diferença no varejo em época de Natal

Dados do estudo E-Commerce Radar mostram que, dos clientes que selecionam produtos em sites, 82% não finalizam a compra

O Natal, a época mais aguardada pelo varejo, está chegando e as empresas precisam estar mais preparadas para atender bem os seus consumidores do que estavam durante o "esquenta" das vendas de fim de ano, a Black Friday. É fato que o comércio faturou 23% mais durante o período de promoções este ano, mas o custo que as companhias estão pagando por resultados de curto-prazo são muito mais altos e colocam em xeque a relação com os seus clientes, o principal ativo de qualquer negócio.

Pesquisa do Reclame Aqui apontou um aumento de 57,6% no número de reclamações registradas durante esse período promoção, um total de 8.830 queixas. Entre os principais problemas, destaca-se a propaganda enganosa (33,7% dos casos).

 Segundo Thiago Cavalcante, da Adaction, veículo de comunicação especializado em ações de mídia digital, a promoção serve para atingir um número maior de consumidores que estão fora do radar da empresa, mas, como os resultados demonstraram, é preciso muito cuidado para não dar tiro no pé. "Fazer ofertas mirabolantes, prometer aquilo que não pode cumprir e não preparar seu site para receber um número maior de pessoas para compras, foram alguns dos problemas que verificamos. O marketing deve estar muito bem alinhado com a área comercial", explica.

Uma das formas de evitar que campanhas como a Black Friday piorem a imagem da empresa ao invés de trazê-la para a proximidade com o cliente, é usar a mídia programática, ferramenta que permite a empresa falar exatamente com o público da campanha e tornar a ação mais efetiva.

"Na prática, a tecnologia programática, ao gerar dados, permite aos profissionais do marketing entender o perfil dos consumidores para então definir quem são os potenciais clientes. É essa segmentação inteligente que fornece os subsídios para criação de mensagens personalizadas", diz Cavalcante. Direcionar a melhor mensagem ao canal mais adequado e ao consumidor com maior chance de compra, permite a melhor mensuração do retorno sobre o investimento de cada ação e possibilita que a área comercial se prepare para aprimorar o seu atendimento e reduzir o abandono do carrinho, um dos principais problemas do e-commerce.

 Carrinho vazio

Dados do estudo E-Commerce Radar, realizado a partir de resultados consolidados do comércio eletrônico brasileiro no último ano, mostram que, dos clientes que selecionam produtos em sites, 82% não finalizam a compra. "É preciso acompanhar o consumidor no site, identificar quais são as suas dúvidas e porque não está fechando as compras. Ao oferecer um canal de comunicação para ele na hora em que está no site, sanear suas dúvidas, oferecer uma promoção e entender o motivo de ele não finalizar a compra, o problema de abandono do carrinho é reduzido", afirma Leandro Costa Schmitz, superintendente de inovação da Flex Relacionamentos Inteligentes.

Ele lembra que o ambiente digital tem transformado a forma como o comércio conversa com seu público-alvo e executam as estratégias de negócio. "As empresas mais atentas buscam, através da inovação, melhorar a experiência do cliente em todos os seus pontos de contato. A jornada do cliente é multicanal e a empresas que se fazem presentes no maior número de etapas, são as que têm maiores chances de conversão e fidelização", complementa.

 Além do melhor preço, a melhor experiência

Promoção é importante sim, principalmente em épocas de crise econômica, mas as empresas não devem acreditar que o preço é o único fator que será levado em consideração na hora da compra. Os clientes têm se tornado cada vez mais exigentes e compõem um grupo diverso, cujo entendimento é complexo. Justamente por isso, tratamento personalizado do consumidor, com o auxílio da inteligência artificial, data analytics e Big Data, é um diferencial que elevará um negócio ao próximo nível e o destacará diante da concorrência.

"Quando falamos em experiência do usuário hoje, não nos referimos apenas ao ato de atender bem durante a compra. É ir além e alcançar todas as etapas da jornada do consumidor, ou seja, do primeiro contato dele com a marca, da busca por informações em um site, do acompanhamento da interação com os produtos ofertados, da compra em si e, até, do pós-venda", destaca Rodrigo Cunha, diretor da Neurotech, empresa de inteligência artificial para estratégias de negócios.

 

Template Design © Joomla Templates GavickPro. All rights reserved.